quarta-feira, novembro 08, 2006

UE em desacordo sobre fiscalidade de bebidas alcoólicas

Portugal defendeu a manutenção da fiscalidade sobre os vinhos do Porto, da Madeira e Moscatel, mas o desacordo entre os países europeus não permitiu garantir os valores dos impostos, que se mantêm inalterados desde 1992.

A actualização dos impostos proposta pela Comissão Europeia levaria a um aumento de 31 por cento dos valores mínimos cobrados a todas as bebidas alcoólicas, até 2010, exceptuando vinhos. No entanto, Alemanha, República Checa, Letónia e Lituânia, grandes produtores ou consumidores de cerveja, rejeitaram quaisquer aumentos neste sector.

Em troca da exclusão da cerveja, a presidência Finlandesa propôs o congelamento da taxa de 54 euros por hectolitro aplicável aos “vinhos doces dos Pirinéus Orientais”, mas Portugal e Espanha fizeram ouvir os seus protestos, uma vez que os seus vinhos do Porto, Madeira, Moscatel e Jerex estão classificados na mesma categoria de “produtos intermédios”, devendo, por isso, beneficiar da mesma medida.

Saudações Vinícol
as

1 comentário:

O Raio disse...

Fico sempre de pé atrás quando vejo a Comissão Europeia meter o bedelho nalgum assunto.
Agora creio que andam de olho nas bebidas alcoólicas.
Primeiro fez-se uma sondagem/estudo que mostra como o consumo de alcool está a prejudicar a Europa...
A seguir virão as medidas. Não serão só os impostos, já há ideias de colocar nas garrafas letreiros do tipo "O consumo de alcool provoca a impotência" ou "O alcool mata"...